inauguração (open house)

Marco Antonio Martire  Contos   inauguração (open house)

inauguração (open house)

 

Uma casa no tamanho. Sem enchente, grades ou demais surpresas. Necessária para quem, em seu mover pela cidade, ultrapassasse as seguintes sem se preocupar com campainhas. Feita de tijolo, barro cozido em olarias, indesfragmentável por capricho da argamassa. Telhado que não se discernisse, janelas para a brisa. Água, esgoto, luz, tevê a cabo e internet, mês a mês. Transporte na esquina. Sol de rachar às tardes, quando no serviço, graças!

 

Foi cobrada, pagaram e entraram. Ela viu, ele também. Um portão, é claro, aberto ou fechado, nos conformes. Nos ditados. Que saltavam, para brincar em todas as idades. As turmas, os casais. Tintas.

 

É casa onde seja. Mas vai que sim, anos e a selfie é esta. Resolução até em vídeo. Queira entrar, o café no fogão, se quiser uma cadeira. Música e cheiro de faxina. Nada de mapas. Pertinho, se errar, chama pelo nome. Existe zap pra quê.

Sem comentários
Deixe um Comentário: